Pular para o conteúdo

Notícias

Formados no IFSC têm 31,43% de aprovação no vestibular da UFSC

ENSINO Data de Publicação: 11 jan 2019 12:44 Data de Atualização: 11 jan 2019 13:11

Candidatos que concluíram o ensino médio no Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) tiveram 31,43% de aprovação no vestibular da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), segundo dados divulgados pela universidade na última quarta-feira, 9 de janeiro. No total, 996 egressos do IFSC inscreveram-se para o exame e 313 foram aprovados. O percentual de aprovação do Instituto Federal no vestibular da UFSC é bem próximo ao registrado ano passado (31,46%).

Catorze câmpus do IFSC foram indicados pelos candidatos como sua escola de conclusão do ensino médio, em números que variaram de 12 inscritos (Xanxerê) a 477 (Florianópolis-Centro).

Alguns desses câmpus foram destaques em aprovação, seja em suas cidades ou mesmo em nível estadual, como no caso do Câmpus Joinville. Dos 36 candidatos do vestibular que concluíram o ensino médio naquele câmpus, 21 foram aprovados. O índice de 58,33% de aprovação é o maior dentre todas as escolas catarinenses que tiveram pelo menos 10 inscritos no exame da UFSC.

Já o Câmpus Gaspar, com 32,39%, teve o maior índice de aprovação dentre todas as escolas da cidade, independentemente do total de inscritos. O Câmpus Xanxerê (25,00%) também teve o maior índice de aprovação da cidade, empatado com outra instituição, mas o câmpus do IFSC é a única delas que teve mais de 10 inscritos.

Excluindo as escolas que tiveram menos de 10 inscritos, os câmpus do IFSC tiveram os maiores índices de aprovação nas cidades de Araranguá (19,15%), Criciúma (17,39%), Jaraguá do Sul (câmpus do Centro, com 33,33%) e São José (28,69%). O número de Jaraguá do Sul inclui um candidato que informou como escola de conclusão do ensino médio a unidade da Escola Técnica Federal de Santa Catarina em Jaraguá do Sul, atual Câmpus Jaraguá do Sul-Centro do IFSC.

O Câmpus São Miguel do Oeste (20,00%) foi a segunda escola da cidade com pelo menos 10 inscritos que mais aprovou no vestibular da UFSC. Já em Caçador (20,00%) e em Florianópolis (câmpus do Centro, com 38,16%), os câmpus do IFSC também se destacaram dentre as escolas com pelo menos 10 inscritos, ficando em segundo lugar no geral e, em ambos os casos, com o melhor desempenho de escola pública desse grupo.

O Câmpus Chapecó (10,71%) teve o quinto maior índice de aprovação dentre as escolas da cidade com pelo menos 10 inscritos e o segundo maior quando consideradas apenas as escolas públicas nesse grupo. Os câmpus Palhoça Bilíngue (7,69%), Itajaí (7,14%) e Canoinhas (4,35%) também tiveram pelo menos um candidato aprovado no vestibular.

O pró-reitor de Ensino do IFSC, Luiz Otávio Cabral, avalia que a instituição destaca-se pela competência em formar seus estudantes, mesmo que seu foco de formação não seja o vestibular. O resultado, na visão dele, é fruto da articulação entre ensino, pesquisa e extensão dentro do Instituto Federal.

Aprovação no curso mais concorrido

Ser aprovado num curso com uma concorrência de 204 candidatos por vaga no vestibular da UFSC exigiu muita dedicação de Guilherme de Lima Schwaikartt, 18 anos, que terminou no último mês o ensino médio técnico em Informática no Câmpus Chapecó do IFSC. Durante seis meses, a rotina dele, conforme conta, foi “basicamente estudar o dia todo”. “Pela manhã, eu lia as apostilas e os livros didáticos. À tarde, eu tinha aula no IFSC e pedia auxílio aos professores em alguns conteúdos. E à noite, ia para o cursinho e resolvia exercícios das provas anteriores e das apostilas.”

O esforço foi premiado com a aprovação em Medicina, curso que todo ano é o mais procurado da UFSC e que é um sonho antigo de Guilherme. “Eu optei [por Medicina] por conta de aspirações desde que era criança. Adorava meu pediatra e meu oftalmologista e tinha neles uma referência por serem muito queridos e pessoas incríveis”, diz.

O estudante do Câmpus Chapecó fez intercâmbio durante o curso, em Portugal, e lá participou de um projeto que tinha relação com a área da saúde, voltado para a correção de erros em radiografias. Além do intercâmbio, Guilherme também participou de outras iniciativas durante o curso técnico, como o concurso de literatura Caminhos do Mercosul, do Ministério da Educação, que ele acabou vencendo.

“O IFSC me possibilitou experiências pra vida toda e que eu não conseguiria encontrar em nenhum outro lugar. Tive muitas oportunidades e me inscrevia em todas que podia. Se não fosse o IFSC, eu não teria crescido tanto na minha vida e me tornado o que sou hoje”, opina. Ele optou pelo Instituo Federal quando terminou o ensino fundamental porque queria ensino de qualidade e não tinha condições de pagar por uma escola particular.


Mudança de planos

Ingressar em um curso de ensino médio técnico do IFSC mudou os planos de Maria Eduarda Tenfen Gonçalves, 18 anos. A menina recém-saída do ensino fundamental que sonhava em estudar Direito na universidade passou para o técnico em Saneamento do Câmpus Florianópolis-Centro “em busca de um ensino médio de qualidade e pela complementação com o curso técnico que seria, futuramente, algo a mais para o meu currículo”, segundo ela mesma lembra.

“Ao decorrer do curso, acabei me descobrindo na área e decidindo mudar para Engenharia Sanitária e Ambiental”, explica. Foi para esse curso que Maria Eduarda foi aprovada no vestibular da UFSC, mesmo sem ainda ter concluído o ensino médio – vai finalizá-lo no primeiro semestre de 2019 e ingressar na graduação no segundo.

Ela avalia que a qualidade do ensino e o fato de muitos dos conteúdos cobrados no vestibular serem abordados nas disciplinas do ensino médio técnico ajuda o estudante do IFSC a ir bem na prova. “O IFSC nunca teve um ensino voltado para a preparação para o vestibular e sim para o curso técnico. Entretanto, acabamos tendo uma boa base para o vestibular”, afirma Maria Eduarda.

Ela sugere, no entanto, que as disciplinas de formação geral, como biologia, estejam no currículo até as fases finais do curso técnico – pelo currículo atual, elas são ministradas mais no início, enquanto os últimos semestres são voltado para as disciplinas técnicas -, como uma forma de ajudar o estudante que vai prestar vestibular.

Ensino médio técnico e Proeja

O ensino médio no IFSC é oferecido em dois tipos de curso: o ensino médio técnico (técnico integrado) e o Proeja. O ensino médio técnico é destinado a candidatos recém-saídos do ensino fundamental, que ingressam em um curso do Instituto Federal por meio de prova (exame de classificação) ou sorteio. O aluno tem as disciplinas do currículo normal do ensino médio e as específicas do curso técnico escolhido. A duração média é de quatro anos.

Já no Proeja, o ensino técnico é oferecido junto com o médio na modalidade educação de jovens e adultos (EJA), para pessoas com 18 anos ou mais que não tiveram acesso ou tiveram que parar com os estudos antes de concluir o ensino médio. A seleção dos candidatos é feita por sorteio e a duração dos cursos vai de dois anos a três anos e meio.

Todos os cursos de ensino médio que o IFSC possui podem ser consultados em www.ifsc.edu.br/cursos.


Graduação no IFSC

Diferentemente da UFSC, o IFSC não adota mais vestibular para ingresso em cursos de graduação. As vagas são preenchidas exclusivamente pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que usa a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) do ano anterior.

O próximo período de inscrições no Sisu está bem perto de começar: vai de 22 a 25 de janeiro. O IFSC vai abrir 1.884 vagas em cursos de 19 cidades. O edital 14/Deing/2019-1 traz informações sobre os cursos oferecidos e sobre o sistema de reserva de vagas que o Instituto Federal adota.
 

ENSINO