Pular para o conteúdo

Notícias

Primeiro curso presencial do câmpus realiza formatura

CÂMPUS TUBARÃO Data de Publicação: 23 fev 2017 21:00 Data de Atualização: 06 fev 2018 15:25


O auditório da Associação dos Municípios da Região de Laguna (Amurel) esteve lotado na sexta-feira, dia 17, para um momento histórico. Pioneiros e desbravadores, nove técnicos em Informática celebraram a formatura do primeiro curso presencial do Câmpus Tubarão do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC). Uma turma que se formou junto com a consolidação do câmpus.

A solenidade foi marcada pelo entusiasmo com a conclusão do primeiro curso presencial do IFSC em Tubarão. Em setembro do ano passado, o câmpus já havia celebrado a formatura do primeiro curso da instituição, o técnico em Informática para a Internet, ofertado na modalidade a distância.

“Os formandos estão fazendo história. A sensação é de dever cumprido. Nossos docentes e técnicos fizeram o melhor”, disse a diretora-geral do Câmpus Tubarão, Consuelo Sielski, defendendo a necessidade de união entre as instituições para a capacitação de mais profissionais na cidade. “A sociedade clama por novos profissionais. Precisamos nos unir ainda mais para trazer mais cursos para a nossa região”, destacou a professora.

Patrono da turma, o empresário Sonio da Rosa Scheper lembrou aos afilhados a oportunidade que estava batendo à porta. “Apesar da crise o setor de tecnologia segue contratando e crescendo. Para os formandos, é uma oportunidade real de mercado de trabalho", disse Sonio, contando que seu interesse para a área de tecnologia foi despertado após a realização de um curso técnico em Informática.

Consolidação do câmpus

O curso começou no segundo semestre de 2015 e foi concluído no final de 2016. Ao longo do curso, os alunos, que na maioria estudavam o ensino médio em outra instituição, tiveram de encarar o desafio de fazer o curso técnico no contraturno, enfrentando dificuldades e contribuindo para a consolidação da própria identidade do Câmpus Tubarão.

“Foi um grande desafio ser a primeira turma do curso, já que o câmpus está constituindo sua identidade. E eles, formandos, são reflexo dessa nossa tentativa de dar uma característica não só ao curso, mas ao câmpus”, resume a paraninfa da turma, a professora de Português Instrumental, Daniella Yano.

Para concluir o curso, os alunos fizeram grupos de estudo nos fins de semana, entre outras atividades. A biblioteca do câmpus acabou sendo um refúgio, não apenas para os estudos, mas para o fortalecimento dos laços que os ajudaram a concluir a caminhada. Tanto que o nome da turma foi dado ao auxiliar de biblioteca Arnoldo Onofre Jr., que se tornou um amigo dos alunos.

Coordenador do curso na fase inicial, o professor Willian Bolzan destaca que, ao longo do desenvolvimento da primeira turma do curso, o Câmpus Tubarão teve de enfrentar os desafios inerentes ao processo de implantação de um curso. Consolidação do projeto pedagógico, ampliação do corpo docente e da infraestrutura, além da própria divulgação do curso na região, foram tarefas que correram em paralelo às atividades em sala de aula. O resultado, ao final de um ano e meio, foi positivo.

“A avaliação do curso é positiva e foi enriquecedor para todos, sobretudo para o corpo docente, que conseguiu ver além e procurou sempre estar em contato com o que o mercado procura. Dessa forma, o projeto pedagógico do curso está passando por uma grande atualização, permitindo que o curso fique mais condizente com o que o um profissional a área de informática formado pelo IFSC deve oferecer à sociedade”, afirma o professor, que destaca ainda o pioneirismo e a coragem dos formandos da primeira turma do curso técnico em Informática do Câmpus Tubarão.

“Como pioneiros, foram corajosos e assumiram esse desafio junto à instituição. Também é importante destacar a determinação dos alunos, que não desistiram em meios às dificuldades, haja vista a qualidade dos projetos desenvolvidos durante o curso”, completa.

 

Novas perspectivas

O caminho árduo traz recompensas. Durante a formatura, a paraninfa contou as histórias de cada um dos formandos, relatando promoções no emprego, aprovações em concursos e novas perspectivas que se abriram na vida dos novos técnicos em Informática formados pelo IFSC.

Fabiano Fernandes, 41 anos, trabalha há 18 anos com uma microempresa de prestação de serviços em informática. Classificado no último concurso do IFSC, para técnico de laboratório, ele aguarda ser chamado para ser, agora, um colega dos servidores que o acompanharam durante o curso.

“Eu já tinha um curso técnico em Contabilidade, mas queria me aprofundar em um assunto com o qual eu já estava envolvido. O conteúdo foi bem além do que eu esperava do curso. Dentro do IFSC, tive contato com os professores e demais servidores e tive todo o apoio deles. Foi através do IFSC que tive essa oportunidade”, comemora.

Para Arielle de Jesus Medeiros, 18 anos, o curso no IFSC representou um estímulo para buscar o primeiro emprego. Aluna da Escola de Educação Básica Senador Francisco Benjamin Gallotti, ela esbarrava na falta de experiência e no currículo, deficiência que conseguiu sanar. “Agora, pretendo buscar um emprego na área. Antes, eu tentava empregos e sempre exigiam experiência e qualificação. Quando fiquei sabendo do curso, entrei na hora. Foi uma oportunidade para dar peso no currículo”, diz a aluna, que durante o curso desenvolveu, junto com o colega Fernando Martins, o projeto de um sistema para facilitar a comunicação entre médicos e pacientes. Ideia que, um dia, a dupla pretende tirar do papel.

Por Daniel Cassol | Jornalista IFSC


 

CÂMPUS TUBARÃO