Pular para o conteúdo

Notícias

Projeto é reconhecido pela Comissão de Doação de Órgãos

CÂMPUS JOINVILLE Data de Publicação: 14 mar 2017 21:00 Data de Atualização: 06 fev 2018 15:26



"Não estamos pedindo para que alguém morra para podermos viver, mas sim que o doador viva novamente através de nós." Foi o depoimento de um paciente na fila de espera por transplante que motivou os alunos Arielle Silva Gomes dos Santos Rudnick, Cristiane Day Martendal, Lucas Gabriel Odelli e Patrícia Meier a se decidirem pela doação de órgãos como tema para o projeto integrador (PI) do curso técnico em Enfermagem, no segundo semestre do ano passado. Por causa da importância do trabalho, o projeto foi reconhecido com o Prêmio Destaque pela Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT), do Hospital Municipal São José. O hospital joinvilense é referência na captação de órgãos em Santa Catarina.


"O nosso projeto de vida, como o chamamos, repercutiu de uma forma que não imaginávamos", declara Arielle. "Acreditamos que foi pelo amor, emoção, dedicação que colocamos nele e por ser um assunto que merece e necessita de destaque, de divulgação", justifica Cristiane. A colega Patrícia complementa: "esse projeto nos fez crescer como seres humanos, mudar nosso olhar, nossa forma de pensar." Conforme os formandos, a doação de órgãos é vista pela sociedade como um ato de solidariedade, coragem e amor por parte dos familiares. Mas, como a decisão é feita em momentos muito difíceis, é preciso que as pessoas já tenham conversado sobre o assunto antes.


Dentro do projeto "Doação de órgãos: a conscientização através do conhecimento", orientado pela professora Débora Rinaldi Nogueira, eles realizaram palestras para todas as turmas dos cursos técnicos integrados em Eletroeletrônica e Mecânica do Câmpus Joinville. A opção por trabalhar com os adolescentes levou em conta justamente o objetivo de formar multiplicadores. "A doação de uma pessoa pode salvar até oito vidas. Então, por mais doloroso que seja, é preciso conversar em casa. Os doadores precisam avisar os familiares sobre sua decisão", explicam.


Durante as palestras, os alunos de Enfermagem usaram vídeos, depoimentos e jogos interativos para esclarecer dúvidas dos 500 adolescentes atendidos no projeto e ressaltar o quanto a doação de órgãos é importante. "Todos nós sempre fomos a favor da doação e somos os quatro doadores de órgãos, porém não tínhamos ideia da importância que tem a conscientização sobre o assunto, as dúvidas que precisam ainda ser esclarecidas, os tabus, os medos", comenta Lucas.


Para os futuros profissionais de Enfermagem, o reconhecimento ao projeto, pela Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante, serve de incentivo para a continuidade do trabalho. "Todos nós temos interesse em proliferar de alguma forma esse assunto. Precisamos multiplicar essas informações e acreditamos que toda ajuda é bem-vinda, para que as pessoas que estão na fila por transplante tenham mais chance de sair dessa angustiante espera", enfatizam.


A boa notícia é que, no ano passado, o número de doações de órgãos em Santa Catarina aumentou em 23,6%. Conforme estatísticas da SC Transplantes – Central de Captação, Notificação e Distribuição de Órgãos e Tecidos de Santa Catarina, foram realizadas 251 doações em 2016, contra 203 no ano anterior. Com 28 captações, o Hospital São José, de Joinville, está entre os três que mais captaram órgãos no estado. O Hospital Santa Isabel, de Blumenau, captou 29 órgãos e o Hospital Governador Celso Ramos, de Florianópolis, fez a catação de 23 órgãos.


Por Liane Dani | Jornalista IFSC

CÂMPUS JOINVILLE