IFSC registra aumento no número de matrículas em todas modalidades de ensino

ENSINO Data de Publicação: 15 out 2018 09:00 Data de Atualização: 16 out 2018 18:26

63,4 mil matrículas em cursos presenciais de graduação em universidades públicas de Santa Catarina em 2017. A informação foi divulgada pelo Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) em setembro passado. Essa marca representa metade dos alunos matriculados em 2013, quando eram 125,3 mil. Entre 2016 e 2017, segundo o Censo da Educação Superior, foram menos 12.561 inscritos. Porém, esses dados não conferem com a realidade do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), que apresenta crescimento no número de matrículas tanto no ensino superior como nas demais modalidades de Educação Profissional e Tecnológica oferecidas. Cefets e os Institutos Federais somam 13,9% do total de matrículas em cursos de graduação da Rede Federal. 

De acordo com o Anuário Estatístico 2013-2017, 41.014  era o número total de estudantes matriculados nos cursos oferecidos pelo IFSC em 2017. Um ano antes (2016), eram 35.607 alunos, o que revela um incremento de 5.407 novos estudantes nesse período de 2 anos. No entanto, se a busca voltar ao ano de 2013, a evolução parece ainda maior já que o ano registra 28.765 matrículas, apontando para um índice de crescimento de 76%, no período de 5 anos, mesmo que entre os anos de 2014 e 2015 tenha ocorrido uma diminuição do número de alunos matriculados. 

Partindo para análise detalhada de matrículas em cursos de ensino superior, em nível de Bacharelado, Licenciatura e de Tecnologia, o IFSC segue por caminho oposto ao percorrido por Santa Catarina. Somente entre 2016 e 2017, em graduações de Bacharelado, o aumento atingiu o índice de 31%, passando de 2.142 para 2.819 matrículas. Já no que se refere a cursos superiores de Tecnologia, o incremento foi de 29%,  enquanto que 43% foi o índice de aumento no número de matrículas em Licenciaturas. 

EaD

O levantamento do Inep revela ainda que, entre 2016 e 2017, houve um aumento de 24,35% nas matrículas de educação a distância (EaD) no estado catarinense, acima da média nacional, de 17,6%. O IFSC, nesta modalidade, caminha paralelo a Santa Catarina, uma vez que também registra um incremento superior a 3 mil matrículas, indicando um índice superior a 50% ao passar de 5.004 matrículas, em 2016, para 8.097 no ano passado. Se contabilizar de 2014 (4.230) para cá, esse número quase dobra. 

Demais modalidades

Cursos de Qualificação Profissional, Técnicos (IntegradosConcomitantes e Subsequentes, Especialização, e Mestrado Profissional do IFSC também seguiram, no período de 2013 a 2017, a mesma direção do ensino superior, com aumento em todas essas modalidades. As oportunidades ofertadas como Qualificação Profissional ou Formação Continuada em 2013 têm registradas 10.634 matrículas, e em 2017, 15.741, índice em torno de 50% maior. 

Da mesma forma, o Mestrado Profissional que, em 2013, teve 56 matrículas e, em 2016, atingiu a marca de 85. No ano passado, o registro foi de 126 matrículas, o que aponta para mais que o dobro do número inicial delimitado. Não fugindo à regra, as Especializações registraram 1.894 matrículas em 2013 passando para 3.554 em 2017. 

No ensino Técnico, foi registrado um aumento, porém não tão significativo, uma vez que passou de 12.199 em 2013 para 15.109 em 2017. 

Os dados fornecidos pelo Inep não fazem referência à criação de novos cursos ou não no período relatado. E outra vez, o IFSC está na contramão dessa estatística, já que entre 2016 (699 opções) e 2017 (670) ocorreu a diminuição de 29 cursos, levando-se em consideração todas as modalidades oferecidas pelo Instituto.

ENSINO