O que pode ser considerado plágio?

BLOG DO IFSC Data de Publicação: 27 out 2021 09:42 Data de Atualização: 27 out 2021 11:25

Quem já fez um trabalho acadêmico com certeza precisou fazer citações e utilizar as famosas referências, ou seja, mencionar trabalhos e pesquisas anteriores que ajudam a embasar e dar consistência científica à sua pesquisa. Valem livros, artigos, trabalhos de congressos etc.

Na hora de citar esses trabalhos, é importante saber que existem regras para que sua utilização não possa ser considerada plágio. Por exemplo: você não pode copiar uma frase inteira de um artigo e simplesmente citá-lo nas suas referências. É preciso identificar a fonte ao longo do texto. 

No post do Blog de hoje, explicamos o que é plágio, como citar adequadamente outros trabalhos científicos e compartilhamos materiais do IFSC sobre o assunto.

O que é plágio?

Antes de mais nada, precisamos explicar o que é plágio: 

Plágio é a cópia integral ou parcial de um texto ou de uma ideia. 

O plágio pode acontecer de diferentes formas, desde citações sem a menção do autor original até a apropriação de conceitos desenvolvidos por outras pessoas e apresentadas como inéditas ou próprias. O plágio é uma prática criminosa segundo consta na Lei nª 9.610/98 que trata dos direitos autorais. A Lei assegura ao autor o direito ao uso e distribuição de sua criação que pode ser textual, audiovisual, comercial etc. A cópia integral ou parcial de obras pode resultar no recolhimento dos materiais que contenham o plágio e até mesmo indenização ao autor plagiado. Plagiar é um ato criminoso!

É importante conhecer as maneiras corretas de utilização de conteúdos de terceiros, evitando todo e qualquer tipo de plágio. Todos os formatos de plágio são passíveis de punição legal, independente da cópia ser integral (como se alguém copiasse inteiramente o texto de outro autor) ou estar presente em apenas um parágrafo em que não foi devidamente citado o autor original.

Agora você pode estar se perguntando: será que eu já cometi plágio sem me dar conta?  

Meme de plágio Senhora olhando para o computador e negando com a cabeça

Vamos explicar os diferentes tipos de plágio e, desta maneira, você entenderá do que se trata para não cometer o erro de plagiar.    

Quais os tipos de plágio acadêmico?

Dois câmpus do IFSC possuem materiais para explicar aos alunos sobre plágio: o Câmpus Florianópolis e o Câmpus Jaraguá do Sul-Centro

-> Acesse a cartilha que trata de plágio do Câmpus Florianópolis
-> Acesse o Manual Anti-Plágio do Câmpus Jaraguá do Sul-Centro

Conforme consta nesses materiais, as modalidades de plágio podem ser dos seguintes tipos:

-Plágio Direto: é quando o autor copia integralmente o conteúdo de outra pessoa e não a cita como referência, tomando para si algo que não foi de sua autoria. É o famoso Control C + Control V.

-Plágio Indireto: nesse formato, o autor se apropria de elementos conceituais e reescreve o texto sem citar a fonte. Basicamente é dizer a mesma coisa só que com outras palavras.

-Plágio Consentido: é quando o autor permite que terceiros se apropriem de suas criações e tomem para si a autoria mediante alguma vantagem financeira, por exemplo. É o caso de pessoas que recebem para elaborar pesquisas e trabalhos.

-Plágio de Fontes: o autor adota um conjunto de referências citadas por outro autor sem ler as obras. É o equivalente a usar o apud, em obras que seriam acessíveis.

-Autoplágio: aqui o autor copia o seu próprio texto que já foi publicado em outros espaços sem mencionar que o conteúdo não é inédito.

É possível perceber, portanto, que o plágio se caracteriza como uma forma de falsificação. Combatê-lo é uma forma de evitar que o leitor seja enganado, bem como impedir que o conhecimento seja baseado em conteúdos com informações incorretas.  

-> Veja como fazer citações de forma correta para evitar a cópia

Como o IFSC lida com plágio? 

Os câmpus do IFSC têm autonomia para elaborar normativas internas sobre a condução em casos de plágio, sempre amparados pela Lei nª 9.610/98 e orientados por instituições como a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, a Capes

Como o plágio é uma prática criminosa, o IFSC busca conscientizar os seus alunos da importância de citar adequadamente as fontes consultadas nas pesquisas acadêmicas. Além de materiais produzidos por alguns câmpus como os que citamos acima, os professores, em sala de aula, procuram auxiliar os alunos em relação a isso. Em alguns cursos, existe a disciplina de metodologia e plágio é um tema abordado. O Câmpus Gaspar, por exemplo, também promove oficinas em que é ressaltado o papel desses estudantes como geradores de conhecimento e como isso exige uma conduta ética na pesquisa.

Além de ações de conscientização para os alunos, o IFSC orienta ainda aos professores que utilizem softwares detectores de plágio. Com o auxílio desses programas, é possível detectar trechos iguais ou muito parecidos a outros trabalhos.

Para além dos trabalhos acadêmicos, o IFSC organiza livros e periódicos. Nesses casos, as obras são submetidas ao Conselho Editorial, em que são avaliadas, entre outras coisas, em relação ao plágio e, ao final do processo avaliativo, os autores das obras assinam a "Declaração de inexistência de plágio", assumindo total responsabilidade sobre os respectivos trabalhos.

Como evitar o plágio? 

A principal orientação para elaborar uma pesquisa é a conduta ética e o primeiro passo para evitar o plágio é conhecer o que é e as formas como ele acontece. Só de você estar lendo este post já é uma forma de saber do que se trata e evitar cometer esse erro. 😉

É também fundamental conhecer as normas que regulamentam os trabalhos científicos, organizadas por instituições como a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), elas oferecem as principais diretrizes para elaboração correta dos trabalhos, desde a estrutura textual até a forma como as referências devem ser feitas. Dessa forma, ao conhecer as normas, é mais fácil evitar o erro na hora de escrever o texto acadêmico e atribuir incorretamente a autoria das citações.   

Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas (2002, p. 1), citação é “menção de uma informação extraída de uma outra fonte”. O seu uso visa sustentar uma argumentação e esclarecer uma ideia ou teoria, reforçando o texto acadêmico, uma vez que a citação demonstra que o autor conhece outras pesquisas relacionadas à sua área de conhecimento - tornando o seu trabalho mais relevante. Por isso é fundamental fazer a citação de maneira correta.

As citações podem ser diretas ou indiretas e todas as obras citadas devem ser mencionadas nas referências. O IFSC possui um Manual de Comunicação Científica que apresenta o detalhamento dos itens que devem estar presentes em um trabalho acadêmico, bem como as normas para as citações, referências etc. Além disso, no Manual é possível consultar orientações sobre como organizar a apresentação da pesquisa, dentre outras informações.

->Consulte o  Manual de Comunicação Científica clicando aqui.   

Dúvidas sobre as normas ABNT

Alunos e servidores do IFSC podem acessar gratuitamente a coleção completa de normas da ABNT. Veja como fazer o acesso clicando aqui.

Além disso, referência de materiais e orientação para normalização de trabalhos acadêmicos também são serviços prestados pelas equipes das bibliotecas do IFSC. Se precisar, fale com a bibliotecária do seu câmpus. 

-> Veja o contato da equipe da biblioteca do seu câmpus

Ficou com mais dúvidas?

Ainda ficou com dúvidas? Envie e-mail para blog@ifsc.edu.br.

Receba nossos posts

Se quiser ver tudo o que já publicamos no Blog do IFSC, clique aqui e leia todos os nossos posts. Você também pode receber nossos posts no seu e-mail sempre que forem publicados fazendo seu cadastro aqui.

 
 
BLOG DO IFSC BLOG DO IFSC